Foto: Canva

Internet: manual de uso para pais de crianças pequenas

Quanta habilidade! Incrível!! Você precisa ver como seus dedinhos são ligeiros no celular! Como pode, tão criança e tão esperto! Acredita que já sabe escolher o aplicativo que gosta? Se eu te contar você não acredita, ela já sabe até tirar foto do meu celular. Veja só, até selfie ele já fez!! Viajar sem celular ou tablet? Nem pensar! Ela só consegue ficar quieta se estiver assistindo algum vídeo ou brincando no celular.

 

Pois é, não estamos falando de crianças com superpoderes, mas de uma geração que não conheceu a vida sem tudo isso, aliás, que sequer consegue imaginar como ela seria com uma televisão com apenas cinco ou seis canais, que a meia noite encerrava as programações, sem telefone celular, sem games, redes sociais e tantas outras opções de entretenimento, que hoje as novas tecnologias oferecem.

 

Sim, para essas crianças fofas e mega habilidosas, a internet e todos os demais avanços da tecnologia representam sinónimos de puro entretenimento, e só. Mas, nós adultos, sabemos que para tirar o melhor e mais seguro proveito destes incríveis avanços, é preciso, antes de qualquer coisa, estar ciente dos riscos a que estamos sujeitos, pois, somente quando os conhecemos, podemos estabelecer as medidas certas para mitiga-los.

 

Logo, se estamos falando de crianças, seres em condição peculiar de desenvolvimento, aos pais cumpre o dever de, também, manter-se informado sobre o assunto, subsidiando-se de dados necessários para orientar e proteger sua criança.

 

Então quer dizer que pais, mães ou responsáveis por crianças precisam saber tudo de tecnologia? Precisam dominar o manuseio dos dispositivos informáticos? Não me diga que terei que baixar todos os aplicativos que meus filhos usam!! Pronto! Vou ter que voltar a estudar, é isso?? Calma, muita calma nessa hora. Não é preciso dominar, mas procurar saber sobre o que atrai sua criança neste universo, o porquê, como funciona, o que propõe este jogo ou aplicativo, se é indicado para sua idade, se propicia interação com estranhos, com quem ela joga, se coleta informações a seu respeito, se acessa as fotos armazenadas em seu dispositivo, se os vídeos que assiste são construtivos ou instigam comportamentos agressivos ou que colocam sua saúde ou vida em risco, etc.

 

Quer ver uma coisa comum que poucos pais se dão conta e, consequentemente, a maioria das crianças ignora? Senha. As crianças criam senhas fáceis e, não bastasse, as compartilham com os amigos. Importante que a criança saiba, desde logo, que sua senha representa sua identidade na internet e que, com exceção de seus pais, não deve ser compartilhada com ninguém.

 

Sabemos que a internet nos proporciona experiências incríveis e inúmeras opções de entretenimento, além de acessibilidades extremamente úteis, contudo e ao mesmo tempo, assim como na vida off-line, tem seus devaneios e se nós, adultos, muitas vezes caímos em armadilhas de engenharia social, por que crianças, desprovidas de discernimento, não cairiam.

 

Assim, para evitar que sejam vítimas de pedófilos, aliciadores, sequestradores, devemos alertá-las que na internet qualquer um pode se fazer passar por qualquer um, adultos e pessoas más podem se fazer passar por crianças da mesma idade, artistas, etc. só para ganhar sua confiança. Daí a importância de nunca interagir com quem não conhece pessoalmente, na internet e evitar compartilhar informações sensíveis e que dizem muito sobre a rotina, onde estuda, costuma passar as férias, onde os pais trabalham, etc.

 

O poder de disseminação e perpetuidade de um conteúdo na internet nos faz refletir e instigar nossas crianças à reflexão de que conteúdo digital não tem devolução e que, portanto, não nos confere o direito de arrepender-nos. Logo, é preciso sempre pensar antes de postar qualquer coisa na internet. Idem com relação às imagens que captura de e com amigos, assim como comentários ofensivos que registra na internet. A raiva passou ou era só uma brincadeira, pouco importa, a ofensa praticada na ou por meio da internet ficará registrada pra sempre.

 

Outra dica muito importante é com relação à realização das respectivas configurações de privacidade e segurança, não somente dos dispositivos, mas, sobretudo das aplicações e ferramentas que a criança utiliza. Legal criar um processo automático de providencia. Ganhou celular novo? Primeira coisa, configurar. Baixou um aplicativo novo? Primeira coisa, configurar.

 

Enfim, tão importante e fundamental quanto a orientação e o acompanhamento dos adultos, é estimular a criança para o exercício do pensamento crítico, habilidade essencial para este novo século, que não somente a protegerá, mas a fará incrivelmente se beneficiar.

 

 

Alessandra Borelli

© 2019 por Nethics Educação Digital

  • LinkedIn ícone social
  • Instagram ícone social
  • Facebook
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now